Informaçãos técnicas

Características físico-químicas

A Iudice Mineração realiza sua lavra em um maciço granítico, localizado próximo ao Pico do Jaraguá, cujas características são as seguintes:

Composição Mineralógica
Mineral %
Microclínio 30-35
Plagioclásio 30-35
Quartzo 25-30
Biotita 5-10
Outros < 5
Características Físicas
Característica Unidades
Densidade "in situ" 2658 kg/m3
Porosidade aparente 0,54%
Absorção d'água 0,20%
Resistência à compressão axial 144 MPa
Perda por Abrasão LOS ANGELES 20%
Resistência ao Impacto TRETON 14% de perda
Velocidade de propagação de ondas 5140 m/s
Forma de partícula Cúbica

Granulometria dos produtos

A Iudice Mineração possui em sua linha normal de produção uma grande variedade de produtos, que atinge desde o rachão até o pó de pedra, incluindo materiais graduados como a brita graduada e a bica corrida.

Granulometria

Para controlar a qualidade de seus materiais, a Iudice Mineração Ltda. possui um laboratório para controle de granulometria que permite além checar a qualidade dos produtos, atender à solicitação de materiais com faixas granulométricas especiais.

Granulometria dos produtos
Material Faixa Granulométrica (mm)
Rachão 203,0 a 102,0
Pedra 4 63,5 a 31,7
Pedra 3 50,8 a 12,7
Pedra 2 25,4 a 9,5
Perda 1 19,0 a 4,8
Perda 1/2 12,7 a 2,4
Pedrisco 9,5 a 2,4
Pedrisco misto 9,5 a 0
Pó de pedra 4,3 a 0
Areia de pedra 4,3 a 0
Bica Corrida 63,5 a 0
Brita Graduada 38,1 a 0
Limites granulométricos de agregado graúdo
  Porcentagem retida acumulada, empreso nas peneiras de abertura nominal, em mm, de
Graduação 152 76 64 50 38 32 25 19 12,5 9,5 6,3 4,8 2,4
0 - - - - - - - - 0 0-10 - 80-100 95-100
1 - - - - - - 0 0-10 - 80-100 92-100 95-100 -
2 - - - - - 0 0-25 75-100 90-100 95-100 - - -
3 - - - 0 0-30 75-100 87-100 95-100 - - - - -
4 - 0 0-30 75-100 90-100 95-100 - - - - - - -
5(A) - - - - - - - - - - - - -

(A) As porcentagens são fixadas de acordo com o indicado em 1.4.


Substâncias nocivas

A quantidade de substâncias nocivas não deve exceder os limites máximos em porcentagem estabelecidos na tabela com relação à massa do material.

Limites máximos aceitáveis de substâncias nocivas no agregado graúdo com relação à massa do material
Determinação Método de ensaio Método de ensaio Quantidade máxima relativa à massa do agregado graúdo %
Torrões de argila e materiais friáveis ABNT NBR 7218 Concreto aparente 1,0
Concreto sujeito a desgaste superficial 2,0
Outros concretos 3,0
Materiais carbonosos (1) ASTM C 123 Concreto aparente 0,5
Concreto não aparente 1,0
Determinação Método de ensaio- Quantidade máxima relativa à massa do agregado graúdo %
Material fino que passa através da peneira 75 μm por lavagem (material pulverulento) (2), (3) ABNT NBR NM 46- 1,0

(1) Quando não for detectada a presença de materiais carbonosos durante a apreciação petrográfica, pode-se prescindir do ensaio de quantificação dos materiais carbonosos (ASTM C 123).

(2) Para agregados produzidos a partir de rochas com absorção de água inferior a 1%, determinados conforme a ABNT NBR NM 53, o limite de material fino pode ser alterado de 1% para 2%.

(3) Para agregado total, definido conforme 3.6, o limite de material fino pode ser composto até 6,5%, desde que seja possível comprovar, por apreciação petrográfica, realizada de acordo com a ABNT NBR 7389, que os grãos constituintes não interferem nas propriedades do concreto. São exemplos de materiais inadequados os materiais micáceos, ferruginosos e argilo-minerais expansivos.


Forma dos grãos

O índice de forma dos grãos do agregado não deve ser superior a 3, quando determinado de acordo com a ABNT NBR 7809.

Desgaste

O índice de desgaste por abrasão “Los Angeles”, determinado segundo a ABNT NBR NM 51, deve ser inferior a 50%, em massa, do material.


Ensaios especiais

Em determinadas regiões ou para concretos com determinados requisitos específicos, pode ser necessária a exigência, por parte do consumidor, de prescrições especiais adicionais, ficando a seu critério os limites e os métodos de ensaio. Algumas destas prescrições ou os métodos para sua determinação são exemplificados na tabela.

Ensaios especiais para agregado graúdo
  Determinação Método
Propriedades físicas Massas específicas absoluta e aparente e absorção de água ABNT NBR NM 53
Ciclagem natural ABNT NBR 12695
Ciclagem artificial água – estufa ABNT NBR 12696
Ciclagem com etilenoglicol ABNT NBR 12697
Teor de partículas leves ABNT NBR 9936
Umidade total ABNT NBR 9939
Propriedades mecânicas Módulo de deformação estático e coeficiente de Poisson de rochas ABNT NBR 10341
Resistência ao esmagamento ABNT NBR 9938
Desgaste por abrasão ABNT NBR 12042
Resistência à compressão da rocha ABNT NBR 6953

Inspeção

A inspeção deve ser feita de acordo com a ABNT NBR NM 26.

 

 


Aceitação e rejeição

Para a aceitação de um ou mais lotes de agregados, definidos conforme ABNT NBR NM 26, deve ser estabelecido explicitamente entre o consumidor e o produtor a realização da coleta e dos ensaio das amostras respectivas por laboratório idôneo ou no laboratório de uma das partes quando houver consentimento mútuo.

 

Um lote somente deve ser aceito quando cumprir todas as prescrições desta Norma e as eventuais prescrições especiais contratadas, inclusive aquelas referentes ao conceito de agregado total.